Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




ARQUIVO - NO MUNDO DOS FAMOSOS
 


Entrevista Especial com GIOVANNA ANTONELLI

 

A atriz que eu entrevisto hoje aqui “No Mundo dos Famosos” é uma das maiores revelações da teledramaturgia brasileira. Ela já deu vida a inúmeras personagens, já viveu mocinha e vilã, protagonista e coadjuvante e em cada trabalho seja no Cinema ou na TV ela consegue imprimir sua inconfundível marca dramatúrgica. Atualmente ela vive a vilã na atual novela das nove da Globo, “A Regra do Jogo” e, como sempre, está sendo um verdadeiro deleite vê-la em cena como a malandra Atena na trama de João Emanuel Carneiro. Nossa “Entrevista Especial” de hoje é com a linda e extremamente talentosa GIOVANNA ANTONELLI.

“Eu acredito, Jéfferson, que um beijo sempre será uma demonstração de amor, carinho e afeto, ou seja, vai ser sempre um beijo que representará algum tipo de amor e por isso não importa se vai ser um beijo entre dois homens ou duas mulheres não importa, pois o que realmente importa é que o beijo vai representar algum tipo de amor”...

(Giovanna Antonelli)

Jéfferson Balbino: Por ser do mesmo autor, a Atena, sua atual personagem na novela “A Regra do Jogo” é uma vilã do mesmo nível da Bárbara que você fez em “Da Cor do Pecado”?

Giovanna Antonelli: Ah isso você tem que perguntar pro João Emanuel [Carneiro] e não pra atriz (risos).

Jéfferson Balbino: Mas eu quero saber o seu ponto de vista sobre essas duas vilãs escritas por ele e que você interpretou...

Giovanna Antonelli: É que eu não sei dosar uma e outra. Eu só faço o que o João escreve no capítulo por isso eu disse que só ele pode responder isso pra você.

Jéfferson Balbino: Como você define a Atena?

Giovanna Antonelli: A Atena é uma mulher livre, amoral. Ela tem muito humor, é muito inteligente e como a novela é uma obra aberta não tem uma definição imutável. Mas pode ter certeza que ela ainda vai aprontar muito nos próximos capítulos.

Jéfferson Balbino: E como foi o processo de composição dela?

Giovanna Antonelli: Procurei seguir rigorosamente o que o autor pediu no texto da novela.

Jéfferson Balbino: Uma das coisas que mais me impressiona em você é a sensibilidade que você transmite com o seu olhar e isso fica visível em cada personagem que você faz, sobretudo, nas mocinhas como a Capitu de “Laços de Família” e a Jade de “O Clone”. Além desse olhar intenso e sedutor o que mais você empresta para suas personagens?

Giovanna Antonelli: Ah, obrigada Jéfferson. Eu sempre digo que o olhar é o espelho da alma... Eu não costumo nem levar e nem trazer nada de personagens, sabe?! Porém, eu procuro sempre trabalhar com o material, o suporte que o autor me dá, pois acho essencial seguir a risca o que o autor pede que o ator faça.

Jéfferson Balbino: Podemos dizer que você é uma atriz metódica que não põe ‘caco’ no texto e que nem procura comandar sua personagem com certa independência?

Giovanna Antonelli: Eu procuro seguir à risca o texto dos autores que eu trabalho até porque os textos são bem geniais e por isso eu respeito muito, mas também tento brincar e trazer uma composição diante de tudo aquilo e acho que deve ser assim porque a personagem é do autor e não do ator.

Jéfferson Balbino: Qual foi a maior dificuldade em dar vida a uma personagem real e tão histórica como a Anita Garibaldi da minissérie “A Casa das Sete Mulheres”?

Giovanna Antonelli: A Anita é uma personagem que fiquei muito empolgada em fazer, por ser uma mulher que já havia existido e com toda essa importância histórica tive que ter um preparo maior e muito mais cautela para fazê-la. Lembro que fiquei mergulhada em vários livros de História que foi um suporte extra além do texto dos autores e da direção do Jayme [Monjardim].

Jéfferson Balbino: A propósito, a maioria de suas personagens são mulheres fortes, né?

Giovanna Antonelli: É verdade, sempre falo que a Jade que eu fiz em “O Clone” tinha a força de lutar contra o preconceito, assim como a Capitu de “Laços de Família” e até mesmo a Anita em “A Casa das Sete Mulheres” que largava tudo por um ideal e que priorizava os seus sentimentos.

Jéfferson Balbino: Embora você tenha me dito que não leva e nem trás nada seu para suas personagens... Existe algum ponto em comum da Giovanna com as mulheres que você já fez na ficção?

Giovanna Antonelli: Não sei exatamente até porque fiz muitas personagens distintas uma das outras também, mas talvez um ponto em comum em nível de comparação seria a determinação que é algo presente na minha personalidade.

Jéfferson Balbino: Por falar na Capitu de “Laços de Família” essa é uma de suas personagens que eu mais gostei devido toda a complexa trama que a envolvia e foi a personagem que te elevou para a categoria de protagonista, afinal a partir dali que você começou a ganhar personagens cada vez mais notórios... Enfim, a que você atribui o imenso sucesso desse trabalho?

 

Giovanna Antonelli: Ao Maneco – é claro. Pois, ele é um gênio e que me deu grandes oportunidades.



Escrito por No Mundo dos Famosos às 11h31
[] [envie esta mensagem
] []





Entrevista Especial com GIOVANNA ANTONELLI

 

Jéfferson Balbino: Você é sempre apontada pelos críticos como uma atriz que rouba a cena mesmo quando não é protagonista como ocorreu na novela “Salve Jorge”. A que você atribui esse mérito?

Giovanna Antonelli: É claro que fico muito feliz quando sei que um trabalho meu faz sucesso e que tanto o público quanto a crítica gostam, porém, nunca faço um trabalho com o intuito de querer ser melhor que os meus colegas. Adorei fazer a Helô em “Salve Jorge”, era uma personagem rica em nuances que tinha suas fraquezas, enfim era uma personagem boa e que gostei muito de fazer.

Jéfferson Balbino: Em sua opinião, porque o beijo gay que você protagonizou na novela “Em Família” não foi rejeitado pela sociedade brasileira como o beijo gay ocorrido na novela “Babilônia”?

Giovanna Antonelli: Eu acredito, Jéfferson, que um beijo sempre será uma demonstração de amor, carinho e afeto, ou seja, vai ser sempre um beijo que representará algum tipo de amor e por isso não importa se vai ser um beijo entre dois homens ou duas mulheres não importa, pois o que realmente importa é que o beijo vai representar algum tipo de amor... Não sei te dizer o porquê do beijo gay ocorrido na novela “Em Família” que eu fiz teve uma melhor aceitação do que o de “Babilônia” isso somente as pessoas que assistiram à novela que podem te responder, o que eu sei e te respondo é que um beijo será sempre uma demonstração de amor.

Jéfferson Balbino: Querida, super obrigado por conceder essa entrevista ao “No Mundo dos Famosos”. Muito mais sucesso pra você, beijo!

Giovanna Antonelli: Obrigada...

 

 

 

 



Escrito por No Mundo dos Famosos às 11h31
[] [envie esta mensagem
] []





TV TUDO

AS VERDADES SECRETAS QUE QUEBRARAM TABUS ÀS ONZE HORAS

Terminou na última sexta-feira a melhor novela das onze vista nesta faixa, inaugurada em 2011. Antes só destinada a remakes de obras clássicas (O Astro, Gabriela, Saramandaia e O Rebu), este horário teve pela primeira vez uma novela inédita e de temática mais forte que as demais. Assim se fez "Verdades Secretas". Quem diria, a melhor novela do ano em quesito suspense, mistério e emoção, superando as duas tramas do principal horário, o das nove. Surpreendente, ainda mais vindo de Walcyr Carrasco!

E de "Verdades", posso destacar o quão empolgante foi o último capítulo, marcado por belas atuações, como em todo conjunto. Em especial, duas atrizes foram espetaculares do início ao fim. Dentre outros, cito todas, resumidamente, a seguir.

Começo por Drica Moraes, que coroou de vez a sua volta por cima na TV (duas vezes), após enfrentar uma grave doença anos atrás. Em 2014 foi eleita em muitos veículos como melhor atriz, como a vilã Cora de "Império". Mas um novo problema de saúde abreviou seu trabalho, que teve de ser interrompido antes da trama de Aguinaldo Silva acabar (Marjorie Estiano a substituiu). Recuperada, pôde voltar mais cedo do que se imaginava. Fez de Carolina uma personagem sofrida e marcante. Sofrida até o seu final trágico, que foi atirar contra a própria cabeça, depois de descobrir a traição da própria filha com Alex (Rodrigo Lombardi).

Outra atriz que brilhou e muito na telinha foi Grazzi Massafera, tanto quanto a protagonista que era a modelo Camila Queiroz, que viveu Arlete (Angel, como preferir). Da mesma agência de moda comandada pela vilã Fanny Richard (Marieta Severo), Larissa aprontou das suas, mas depois caiu em pura desgraça, até parar no mundo das drogas. Mais precisamente na Cracolândia real, em São Paulo. As cenas dela vagando pelas ruas, fumando, sofrendo estupro coletivo e todas as maiores agonias viralizaram na internet. E depois de tudo veio seu final feliz, onde se tornou missionária, para ajudar usuários de drogas a se livrarem dos terríveis vícios (homenagem à Andressa Urach?).

Tamanha interpretação rendeu campanhas de fãs para que Grazi ganhasse todos os prêmios de melhor atriz. Até Oscar! Também pudera, pois foi uma senhora atuação, que merece todos os elogios. É uma atriz que cresce a cada trabalho e vira uma 'gigante' da teledramaturgia, aos poucos.

Meus outros destaques: Marieta Severo, de volta às novelas após 14 anos de "A Grande Família", também arrebentou como Fanny. Coincidência ou não, atuando com Reynaldo Gianecchini, o Anthony (repetindo a parceria de 2000, em Laços de Família). Abandonada pelo canastrão, a megera se deu bem ao ganhar um novo pretendente, Leo. Depois de "tirar a roupa" do cara, o aprovou com um "Serve". Que apavorou!

A protagonista Camila Queiroz, que era modelo, também acrescentou muito à obra, tanto que já está reservada para a próxima novela das seis, também de Walcyr. Angel teve uma história cheia de reviravoltas. Do sonho de modelo desde criança até o auge da concretização, chegou a se prostituir para que sua família não fosse à falência. E no final, um surpreendente caso de amor com o próprio padrasto, sem conhecimento da própria mãe.

E aliás, que último capítulo! Depois da trágica morte de Carolina, Angel alimenta do sentimento de culpa para o resto da vida, mas para tirar "um pouco" da má consciência, mandou ver com sua frieza, NUM IATE, para matar Alex. Outro a ter um fim trágico, e em alto mar. Aliás, atuação sem surpresas de Rodrigo Lombardi...

Para encerrar, Angel se casou com seu verdadeiro e jovem amor, Guilherme (Gabriel Leone), e embarcou para a lua de mel num helicóptero, não antes de lançar um olhar medonho sobre Fanny, que tanto mal causou para a mocinha. Soou meio estranho, mas tá valendo. Que foi um grande último capítulo, como há muito não se via, isso foi!

Consolidado o seu grande sucesso, "Verdades Secretas" saiu de cena deixando saudade, a ponto de ter uma segunda temporada pedida por fãs. E o horário das onze, posto em xeque após o fracasso de "O Rebu", virou célebre na Globo. Em 2016, já estão programadas DUAS novelas inéditas. A conferir.

E novas verdades secretas virão para aguçar a curiosidade do telespectador, que agradece com satisfação. \o/

 

 



Escrito por No Mundo dos Famosos às 10h52
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]