Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




ARQUIVO - NO MUNDO DOS FAMOSOS
 


Entrevista Especial com MARCELO FARIA

 

Meu entrevistado de hoje é filho de um dos maiores atores que esse país já conheceu. E a exemplo de seu pai – o magistral ator Reginaldo Faria – ele, também, construiu uma carreira sólida e repleta de sucessos. Atualmente, vem dando um show de interpretação como o Felipe em “Sol Nascente”, a nova novela das seis. A “Entrevista Especial” do “No Mundo dos Famosos” é com o brilhante ator MARCELO FARIA.

“O mais gratificante na minha carreira é, justamente, o ato de atuar”.

(Marcelo Faria)

Jéfferson Balbino: Como surgiu seu interesse pela carreira artística? Houve alguma influência de seu pai – o magistral ator Reginaldo Faria – para você escolher a mesma profissão que ele?

Marcelo Faria: Ele foi uma influencia até porque eu cresci vendo ele atuar na televisão e no cinema. Então, desde menino eu tive vontade de também fazer isso e nunca mais larguei esse oficio.

Jéfferson Balbino: Conta pra gente, o que o público pode esperar do Felipe – seu novo personagem – na novela “Sol Nascente”?

Marcelo Faria: O Felipe é um banqueiro, advogado, mas por baixo da roupa de advogado ele usa tatuagem e, é roqueiro. Ele namora com a Lenita que é feita pela Letícia Spiller que é a dona do Bar Rota que é onde estamos fazendo a festa da novela aqui hoje. A principio é um namoro escondido do Ralf – que é feito pelo Henri Castelli – depois ele acaba sendo flagrado, mas o Ralf por ser amigo do Felipe acaba aprovando o namoro. E, por enquanto a história dele é essa, mas tem outro cara que entra na jogada que é feito pelo [Marcelo] Novais que é um padeiro que vai ficar ali importunando. Enfim, quase um triângulo amoroso...

Jéfferson Balbino: E você teve que fazer alguma preparação especial para viver o Felipe?

Marcelo Faria: Não, não... Na verdade a única coisa de diferente que esse meu personagem tem que fazer é dirigir moto, mas isso eu já sei, portanto não tive problema.

Jéfferson Balbino: Então não vai precisar nem de dublê para quando houver alguma cena de ação e tal?

Marcelo Faria: Não. A não ser que seja alguma cena de ação eletrizante que exige habilidade maior. Daí sim irei preferir o dublê para não me machucar (risos).

Jéfferson Balbino: Existe algum personagem interpretado por seu pai que você gostaria de reviver num remake?

Marcelo Faria: Não, não... De jeito nenhum, pois ele fez muito bem todos que ele interpretou.

Jéfferson Balbino: Aliás, qual você considera ser a obra-prima de seu pai?

Marcelo Faria: No Cinema o “Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia” que foi, inclusive, o filme que projetou ele, alavancou a carreira dele. E na televisão, sem dúvida, o Marco Aurélio da novela “Vale Tudo” que era um personagem emblemático, muito legal...

Jéfferson Balbino: Pra você, o que é mais gratificante na carreira de ator?

Marcelo Faria: O mais gratificante na minha carreira é, justamente, o ato de atuar.

Jéfferson Balbino: Você deu vida a inúmeros personagens marcantes, entre eles, o Vladimir de “Celebridade”, o Jorge de “Alma Gêmea”, o Eleutério no remake de “Paraíso”, entre outros. Existe algum personagem que você tem um carinho maior por ter tido maior representação na sua carreira?

Marcelo Faria: Então, Jéfferson, eu não gosto de guardar um personagem em detrimento dos demais, pois gosto muito de viver, valorizar o personagem que estou vivendo no momento. Portanto, pra mim o personagem que me marca é esse que eu estou vivendo agora: o Felipe. No entanto, é claro, que recordo com carinho do bombeiro Vladimir, do Lobão de “Malhação”, do Zezito Cachorro Louro que fiz em “Vila Madalena”, também, do [Walther] Negrão, o Elvis de “Top Model”, enfim muito personagens me marcaram assim como o Vadinho de “Dona Flor e Seus Dois Maridos” que eu fiz no teatro, outro que fiz no teatro que gostei muito, também, foi o Athos em “Dartagnan e os Três Mosqueteiros”, enfim tem uma série de personagens que eu fiz e que muito me deixou feliz, mas eu gosto mesmo é de viver o personagem do presente.

Jéfferson Balbino: Então, você não possui aquele apego afetivo que muito atores nutrem por seus personagens?

Marcelo Faria: Não... Nunca! Acabou a novela, a peça eu já deixo aquele personagem e não fico sentindo abstinência dele.

Jéfferson Balbino: E, geralmente, como ocorre o processo de composição de seus personagens?

Marcelo Faria: Aí vai depender sempre do tipo de personagem que eu irei fazer e do veículo. No teatro é de um jeito, na televisão é de outro...

Jéfferson Balbino: Reviver um personagem clássico como o Vadinho exigiu muito de você?

Marcelo Faria: Eu fiz o meu Vadinho sem ter nenhum peso nas costas, sem pensar no do [José] Wilker, nem nada...

Jéfferson Balbino: Ainda existe algum tipo específico de personagem que você sonha em interpretar?

Marcelo Faria: Eu não penso nisso, pois acho que as coisas vêm na hora certa e quando deve vir. Mas gostaria de fazer alguma coisa ligada ao mar que não fosse surfista até porque surfista eu já fiz... Eu gosto muito do mar, do oceano...

Jéfferson Balbino: E você é um ator que assiste novelas? Quais foram às melhores que já assistiu?

Marcelo Faria: Eu procuro assistir outras coisas, não só novelas. É claro que assisto novelas, mas assisto, também, séries, minisséries, séries de canais fechados, internacionais, enfim o que está pintando no momento. E assisto muito cinema, né?! Das melhores novelas que assisti a que mais gostei foi “Roque Santeiro”, inclusive, se acontecesse um remake dessa novela gostaria de fazer o Roque que o [José] Wilker fez.

Jéfferson Balbino: Querido, muito obrigado pela entrevista. Parabéns pela brilhante carreira e muito mais sucesso!

 

Marcelo Faria: Valeu, Jéfferson!



Escrito por No Mundo dos Famosos às 20h34
[] [envie esta mensagem
] []





TV TUDO

"LIBERDADE LIBERDADE" CAUSA FUROR E EMOÇÃO NO ATO FINAL

 


Resultado de imagem para liberdade liberdade ultimo capitulo

 

Amigos, depois de algumas semanas de ausência, enfim voltei para mais um TV Tudo, com o que aconteceu de melhor na telinha. E tudo isso após curtir as Olimpíadas realizadas no Rio de Janeiro, um evento enorme e de grande sucesso, que valeu acompanhar, pela TV ou ao vivo e a cores! Comentarei sobre isso em outra oportunidade. Desculpem a demora, e vamos para as opiniões!

Depois de quase quatro meses, 67 capítulos, termina mais uma obra-prima do horário nobre. Mais uma vez a Globo acerta em cheio no horário das onze, inovando com outra novela inédita, depois da bombástica "Verdades Secretas". E ainda por cima, de época. "Liberdade Liberdade" deu até mais audiência ainda. E quebrou tabus de maneira mais louca possível. O que dizer da cena de sexo de dois homens, entre André (Caio Blat) e Tolentino (Ricardo Pereira)??? Absurda a repercussão, para o bem ou para o mal.

Em suma, "Liberdade Liberdade" foi mais uma obra prima da TV brasileira. E superou um pré-início bastante confuso, já que foi idealizada pela autora Márcia Prates. Inexplicavelmente, ela foi afastada da sua própria obra, que passou pela mão de diversos roteiristas e autores, até finalmente chegar a Mário Teixeira, que finalizou sozinho esta obra.

Pelo que pude assistir, destaco a atuação dos principais personagens, como a protagonista Andréia Horta, a Joaquina, em busca de vingança pela morte de seu pai, Tiradentes. O fio condutor da história foi seu envolvimento com o vilão Rubião (mais um excelente trabalho de Mateus Solano), sem saber que foi ele que arquitetou a referida morte. O mesmo participou de outras barbáries que eram comuns no tempo da escravidão, fielmente retratada na história. Apenas achei confuso pela forma que o vilão morreu, sem muita explicação. Ficou ali o erro de deixar para a última hora a resolução de diversas histórias.

Outras boas atuações vão para Maitê Proença (Dionísia), Lília Cabral (Virgínia), Bruno Ferrari (o herói Xavier) e o pequeno Caju (Gabriel Palhares, de apenas 4 anos!). Além claro, do já citado casal homossexual. Infelizmente, André acabou morto pelo crime de blasfêmia.

O caminho foi árduo, mas todo o trabalho de figurino, cenografia e tudo mais valeram a pena. Mais um sucesso cravado às onze!



Escrito por No Mundo dos Famosos às 20h34
[] [envie esta mensagem
] []





TV TUDO

Resultado de imagem para malhação seu lugar no mundo

 

O MEU LUGAR NO MUNDO FOI UMA MALHAÇÃO NA VIDA

 

Na mesma semana que terminou a novela, além das temporadas de "Mister Brau" e "Chapa Quente" (péssima), nos despedimos de mais uma temporada de "Malhação", com a grata surpresa que a novelinha está evoluindo para cima, e sem tendências de parar.

Com o subtítulo "Seu Lugar no Mundo", foi à temporada de maior audiência desde 2010, maior até mesmo que a temporada antecessora (Sonhos). Por incrível que pareça, pois ainda prefiro as temporadas mais antigas, que passam no Viva. Envolveu história romântica, agito da galera e incansável adrenalina, o que não era comum anos atrás. O vilão Samurai (Felipe Tito) tirou o sossego de todo mundo, até morrer do alto do penhasco.

Posso destacar o bom elenco de novatos, encabeçado por Nicolas Prattes, e também a chamativa participação de astros da música. Nos divertimos com o sertanejo Lucas Lucco, na pele do atrapalhado Uódson. Eh, mozão! No decorrer da novela, o funkeiro Nego do Borel fez a alegria da meninada também.

E agora é aguardar a nova temporada, que começou no dia 22 de agosto, com o subtítulo "Pro Dia Nascer Feliz". Cenas externas foram gravadas em Fortaleza, repetindo o cronograma da Malhação de 2009, protagonizada por Bianca Bin.

 

---------------------

 

Aliás, imediatamente após o fim das Olimpíadas, diversas serão as novidades da TV a partir do 22, em diversos canais. Além da nova Malhação, tivemos ainda a aguardada estreia da minissérie "Justiça". Com o mote "o que você faria por justiça?", a trama de Manuela Dias, de "Ligações Perigosas", retrata quatro histórias diferentes, entrelaçadas de algum jeito diferente. Cada uma das histórias vai ao ar em um dia de semana diferente, segunda, terça, quinta e sexta, durante quatro semanas. E não faltará emoção.

Nessa mesma semana, tivemos a estreia do comentado talk show do humorista Marcelo Adnet, o "Adnight", com convidados da Globo que farão peripécias no palco. Só "esperar o inesperado", como diz a chamada. Curiosamente, a Record traz um programa de mesma linha, também com um consagrado humorista, Fábio Porchat, que estreou o "Programa do Porchat" na madrugada de quinta-feira (mesmo dia da estreia do programa rival). E pensar que ele já fez piada com religião, diretamente referindo-se ao canal dos bispos...

Ainda no fim do mês, tivemos mais estreias. Na Globo, "Sol Nascente" estreou às 18h, com a difícil missão de segurar a audiência extraordinária conquistada por "Eta Mundo Bom" (já sinto saudades!). Continuando na Globo, em setembro entram novos seriados: "O País do Futuro" e "Supermax", esse último com ares de filme de terror, Pedro Bial no elenco e Mariana Ximenes e Cléo Pires juntas, duplamente no ar, pois estão em "Haja Coração".

 

E na Band, estreou o "X Factor", programa que descobrirá novos talentos da música. Sem falar na finalíssima da terceira temporada de "Master Chef", e o início dos debates com os candidatos às eleições municipais.

Tudo isso e muito mais, comentarei aos poucos nas próximas semanas. Até lá!



Escrito por No Mundo dos Famosos às 20h33
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]